Olhos fixos em Jesus, sem perder a esperança





A liturgia deste XX Domingo Comum nos chama a atenção para as exigências que um testemunho fiel nos pode apresentar: perseguição, incompreensão e divisão. Mas ela não nos desanima; ao contrário, nos convida à esperança, na certeza da proteção de Deus para com o seu povo amado.

Na primeira leitura, o profeta Jeremias colhe o fruto amargo do seu ministério profético: é perseguido pelo rei e castigado, correndo perigo de morte. Jeremias, literalmente, vai ao “fundo do poço”, mas não deixa abalar sua confiança. E Deus livra o profeta da morte. Se nos recordarmos do início do seu livro, quando Deus convoca Jeremias para a missão, já lhe apresenta essa realidade: “Eu ponho minhas palavras na tua boca. Vê: hoje eu te coloco contra nações e reinos, para arrancar e derrubar, devastar e destruir, para construir e para plantar” (Jr 1,9s). 

O Senhor não engana, não promete uma vida fácil, mas também não retira sua bênção nem sua proteção, seja qual for o perigo. Já canta o salmo essa confiança: “Eu sou pobre, infeliz, desvalido, porém guarda o Senhor minha vida, e por mim se desdobra em carinho” (Sl 39,18). A missão se realiza na dupla certeza da dureza do caminho e da mão misericordiosa de Deus a guiar e proteger a quem o teme e nele confia. 

Jesus, no evangelho, adverte os discípulos sobre o que pode esperá-los no caminho da missão. Contrariedade e divisão são sinais do efeito curativo da Boa-Nova: é preciso que a Palavra faça arder os corações (cf. Lc 24,32) para provocar uma profunda transformação que resulte em verdadeira conversão. Esse é o caminho do Mestre; será também o dos discípulos. Jesus, assim, vai revelando progressivamente à comunidade o seu destino e a sua identidade. Essa palavra de Jesus não é para desanimar os discípulos, mas para estimular a sua coragem diante das controvérsias e perseguições futuras. Assim também para nós hoje.

A Carta aos Hebreus ilustra bem essa realidade que Jeremias e Lucas nos apresentam: é preciso perseverança no combate, firmeza diante dos medos e perigos, coragem para não desanimar. Diante do mal, não estamos sozinhos: a Igreja é comunhão de fé, é “comunhão dos santos” – entre os que estão aqui neste mundo e os que já passaram além! Todos somos testemunhas da misericórdia do Senhor que ilumina e transforma a vida pelo amor. Com os “olhos fixos em Jesus” (cf. Hb 12,2), a “Testemunha Fiel” (cf. Ap 3,14), alcançamos a fortaleza diante das dificuldades e contrariedades que se podem abater sobre nossa vida. 

No mundo conturbado em que vivemos se reafirma a necessidade do testemunho fiel das nossas famílias. Ensina o Concílio Vaticano II: “os próprios esposos, feitos à imagem de Deus e estabelecidos numa dignidade verdadeiramente pessoal, estejam unidos em comunhão de afeto e pensamento e com mútua santidade de modo que, seguindo a Cristo, princípio de vida, se tornem, pela fidelidade do seu amor, através das alegrias e sacrifícios da sua vocação, testemunhas daquele mistério de amor que Deus revelou ao mundo com a sua morte e ressurreição” (Constituição Gaudium et Spes, n. 52). Pais e mães são, assim, convocados pelo próprio Senhor a educar as crianças na “esperança que não decepciona” (Rm 5,5), que ilumina e enche o mundo de alegria.