Postagens

Mostrando postagens de Março, 2020

Minha história com os blogs

Imagem
Pra você não me acusar de estar entrando na “modinha”, quero explicar de onde veio essa ideia de blog. Que, aliás, é já um tanto antiga na minha vida.  Nos anos de 2003 a 2005 (eu tinha entre 12 e 15 anos) fui voluntário no laboratório de informática de uma escola de onde eu morava. Foram os primeiros contatos com computador que tive na vida! Invejo essa molecada que já nasce sabendo operar os aparelhos que só aprendemos com certo custo e empenhando um tempo considerável (e que ainda não sabemos mexer direito – eu, um velho de 29 anos, estou dizendo isso!). Lá no LIED (estou desatualizado – isso ainda existe?) desenvolvíamos todo tipo de atividade com as crianças, desde jogos educativos até formatação de pequenos textos. Alguns projetos desenvolvidos pelas professoras entravam em posterior parceria com a gente do laboratório, para ampliação de recursos, horizontes e, claro, divulgação.  Um projetinho interessante sobre o meio-ambiente, porém, roubou a cena. Estávamo

O coronavírus tem a nos ensinar

Imagem
Há um certo tempo deixei de publicar uns textinhos por aqui. Um bom hobbie do qual abri mão em nome das inúmeras tarefas da vida pastoral. Penso que quem mais perdeu nesse tempo fui eu. Nem sempre há muitos prazeres para consolar a minha vida... o isolamento social pedido pelo risco de contágio na pandemia do novo coronavírus me oportunizou uma chance de recomeçar. Deo gratias ! Não me resta dúvida, por isso não dirijo a ninguém a pergunta, mas afirmo: o coronavírus tem muito a nos ensinar. Nada de novo, é verdade. Resgatar a velha sabedoria, porém, é sempre aprendizado. É preciso rever os valores da família, do relacionamento interpessoal, da necessidade e da capacidade afetiva de cada indivíduo e do tecido social como um todo. Se conviver em família era um acidente, cruelmente causado pela ausência de transmissão wi-fi ou pela queda do sinal da operadora de telefonia celular, tornou-se, agora, questão de sobrevivência e atitude fundamental. Não existe jovem “don