Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016

A realidade e os desafios das famílias – Amoris Laetitia III

Imagem
“O bem da família é decisivo para o futuro do mundo e da Igreja” (AL 31): com essas palavras o Papa Francisco abre o segundo capítulo da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia , apresentando a preocupação de toda a Igreja com o rosto presente e futuro da instituição familiar, tanto intra quanto extra eclesial. O grande plano de fundo é a “mudança antropológico-cultural” (AL 32) contemporânea, o que os bispos latino-americanos em Aparecida chamavam “mudança de época” (DAp 44), uma “exasperada cultura individualista da posse e do gozo” (AL 33) e gera uma série de desvirtuamentos das relações familiares. O Papa convida a todos para uma “salutar relação de autocrítica” (AL 36), revendo nossa linguagem pastoral e, sobretudo, nossas formas de relação interpessoal, assumindo nossas dificuldades e colocando-nos em um caminho de verdadeiro discernimento e conversão, pessoal e pastoral. Outra triste marca é a da “cultura do provisório” e do “descartável” (AL 39), não

Seguir Jesus: uma opção que transforma a vida inteira

Imagem
O evangelho deste XXIII Domingo do Tempo Comum interpela a cada um de nós a uma opção decidida e radical por Jesus e pelo seu Evangelho. Tornar-se discípulo de Jesus é mais do que uma simples pertença a um grupo social: é entrar num caminho de transformação de toda a vida, ideias, opções, sentimentos e vontades. O Papa Francisco abre a Exortação Evangelii Gaudium do seguinte modo: “A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus” (EG 1). Apesar dos desafios e renúncias necessários (e inevitáveis), pertencer a Jesus, à sua comunidade, é alegria verdadeira – nos permite olhar o mundo com profundidade, além das aparências, e discernir sinais e gestos concretos que abram a realidade humana ao poder salvador de Deus. “Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo” (Lc 14,27), mas não só: o discípulo autêntico deve ser capaz de ajudar a carregar também a cruz de tantos injustiçados e marginalizad