Educação ecológica – Laudato Si’ VIII


Chegamos ao capítulo final da carta encíclica do Papa Francisco “Laudato Si’”, que se abre com uma frase impactante: “antes de tudo é a humanidade que precisa mudar” (LS 202). Esse capítulo trata de dois temas importantíssimos: educação e espiritualidade; por isso trataremos desses temas em dois artigos separados.

Nesse horizonte de conversão, Francisco convida a adotar um novo estilo de vida que quebre o paradigma tecnoeconômico e sua obsessão e compulsão pelo consumo (LS 203), de egoísmo coletivo em detrimento do bem comum (LS 204), que afastam e até mesmo privam o homem da sua verdadeira felicidade e dignidade (LS 205).

“Uma mudança nos estilos de vida poderia chegar a exercer uma pressão salutar sobre quantos detêm o poder político, econômico e social” (LS 206), gerando responsabilidade social, “rompendo com a consciência isolada e a autorreferencialidade” (LS 208), colocando em primeiro lugar o ser humano e seu valor moral, e não a ideologia do consumo e do descartável.

“A consciência da gravidade da crise cultural e ecológica precisa traduzir-se em novos hábitos” (LS 209), efetivamente – eis o desafio! Um discurso, por mais bonito e fundamentado que seja, se não for assumido como tarefa e responsabilidade, se não for traduzido em práticas coerentes e objetivas, se não se tornar verdade ética, de nada adianta. Para isso, é preciso investir em um modelo de educação que gere transformação. Reconhecendo que toda vida vem de Deus e a Ele se dirige, “a educação ambiental deveria predispor-nos a dar este salto para o Mistério, do qual uma ética ecológica recebe o seu sentido mais profundo” (LS 210).

A transformação pessoal é urgente e necessária, com coragem, entusiasmo e criatividade. “A doação de si mesmo em um compromisso ecológico só é possível a partir do cultivo de virtudes sólidas” (LS 211), baseadas em motivações profundas. De fato, assim, “o exercício destes comportamentos restitui-nos o sentimento da nossa dignidade, leva-nos a uma maior profundidade existencial, permite-nos experimentar que vale a pena a nossa passagem por este mundo” (LS 212)!

Nesse cenário, ocupa papel importantíssimo a família: “Contra a denominada cultura da morte, a família constitui a sede da cultura da vida. [...] A família é o lugar da formação integral, onde se desenvolvem os distintos aspectos, intimamente relacionados entre si, do amadurecimento pessoal” (LS 213). Também às instituições políticas e à Igreja cabem a tarefa e a responsabilidade da formação das consciências (LS 214) para que realmente haja uma mudança nos comportamentos (LS 215). Nossa fé nos impele a essa nova postura, à verdadeira conversão dos hábitos cotidianos em favor da vida de todo o planeta.