Epifania, a manifestação do Amor


A solenidade da Epifania do Senhor aos reis magos é um ponto-chave no tempo litúrgico do Natal: o Menino de Belém alcança todos os povos, a estrela guia a humanidade à plena verdade de Deus - a kénosis, a pobreza, a simplicidade. Deus assume um rosto: o rosto de cada homem e mulher que abandona seu coração em Deus. A Epifania do Senhor é a celebração da encarnação do amor misericordioso de Deus, que se abre como fonte inesgotável e acessível a todos.

A liturgia desse dia nos leva a contemplar o mistério da Luz verdadeira: brilhando sobre o Povo de Deus, a esperança messiânica se cumpre com todo o seu esplendor em Jesus (1ª leitura); contudo, essa salvação se estende a todos os povos do mundo pela fé no Evangelho (2ª leitura). Pela encarnação do Verbo, o mistério de Deus alcança toda a humanidade e ilumina-a com uma nova luz, a partir de dentro, renovando sua esperança (cf. Gaudium et Spes 22).

A solenidade da Epifania, de fato, amplia o significado da celebração do Natal: na Noite Santa, o Senhor se revela como o Messias esperado pelo povo de Israel, simbolizado pelos pastores; na Epifania, Ele se manifesta como Deus e Senhor a todos os povos, simbolizados pelos magos do Oriente. Essa região é conhecida (e sempre indicada na Bíblia) como terra de sabedoria milenar, o que destaca ainda mais a importância do Menino que nascera em Belém, a busca da verdadeira Sabedoria que vem de Deus. Seus presentes falam da missão de Jesus: o ouro simboliza a realeza; o incenso, o sacerdócio; a mirra, o perfume do embalsamento.

O mistério da Epifania, assim, aponta para o Mistério Pascal: o Rei nascido de Maria revela aos homens o Amor, e cumpre, no altar da Cruz, sua missão sacerdotal de elevar a vida humana ao coração de Deus; o sepulcro vazio na madrugada na Ressurreição é a resposta amorosa da Vida em plenitude querida pelo Senhor para todos os seus filhos.

Podemos, então, melhor entender a missão da Igreja, à luz da missão do próprio Jesus: “Cristo é a luz dos povos... que a luz de Cristo, refletida na face da Igreja ilumine todos os homens... porque a Igreja é em Cristo como que sacramento, isto é, sinal e instrumento da união íntima de Deus e da unidade de todo o gênero humano” (cf. Lumen Gentium 1). Em Cristo não há espaço para brigas e divisões: somos todos um só povo de irmãos!