Coisas que aprendi aos 26




Já faz um mês que não publico aqui no Pluriverso. Setembro foi agitadíssimo: festa de São Mateus, semana missionária, mês da Bíblia... e a comemoração que 11 em cada 10 pobres mortais mais aguardam o ano todo: aniversário! 

E neste primeiro mês do novo ano de vida já tive algumas experiências que me levaram a algumas reflexões (umas mais maduras, outras nem tanto) que tento sintetizar nestas breves linhas (sem esse lance de autoajuda - é ociosidade filosófica mesmo):

Tempo é uma questão de vontade; quem quer, se dispõe.

Muros exigem verdadeiros mutirões para serem quebrados.
 
Dieta e academia não são tão ruins assim (mas também não são a oitava maravilha do mundo).

Muita gente quer falar, mas quase ninguém se interessa em ouvir.

Todo mundo é forte até que uma gripe te deixe uns dois dias de cama.

Justiça nem sempre é sinônimo de verdade.

Liberdade é andar só, sem medo dos pesadelos, mesmo que eles nos persigam.

A amizade verdadeira supera o tempo, a distância, e mesmo a falta de internet.

#ForaTemer

Ninguém é igual a ninguém, mas ninguém pode ser muita gente. 

São Mateus é botafoguense (teologicamente comprovado - entendedores entenderão).

Enquanto houver juventude, haverá esperança. Juventude, aliás, que não é um produto do tempo, mas um estado de espírito.

Nunca subestime o poder de uma criança.

Cada pessoa é um mistério – admirar-se com cada mistério é um dom de Deus.